NÊNIA DA MORTE DAS CRENÇAS – Poemas – Poemas e Frases – Luso-Poemas

 

 

 

 

 

 

NÊNIA DA MORTE DAS CRENÇAS

 

Poema de Sersank

Hora do ângelus…

Vésper, distante,
no céu tremeluz.
Dobram os sinos
nos campanários
por nossos destinos
tão temerários…
Com eles, em harmonia,
morre a tarde… e para muitos
morre o que é o último dia..

Meu Deus, mas aquele
abutre pousado
no alto da cruz!…

… Hospeda a alma do Tempo
que vem, vencedor, e espreita
a irreverência dos homens
ante o estandarte da luz?

Ei-lo que voa e revoa
e gruda as garras na cruz!
– Por certo que se deleita
a ouvir a oblação funérea
dos sinos a que faz jus…

(Do livro “Estado de espírito”)

DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS POR LEI

Imagem do abutre:http://privilegiosdesisifo.blogspot.com/2008_01_01_archive.html
Imagem do campanário: banco de imagens do google (free)

Ler mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=178594#ixzz1G2c3eGhd
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives

 

 

 

 

 

 

 

NÊNIA DA MORTE DAS CRENÇAS – Poemas – Poemas e Frases – Luso-Poemas.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: