Archive for fevereiro \27\UTC 2011

ESTÓRIA URBANA – Poemas – Poemas e Frases – Luso-Poemas

ESTÓRIA URBANA – Poemas – Poemas e Frases – Luso-Poemas.

O outro lado da poesia: a realidade nua e crua da maldade humana.

 

http://sersank.blogspot.com

 

 

POEMA CONJETURAL – Poemas de reflexão – Poemas e Frases – Luso-Poemas

POEMA CONJETURAL – Poemas de reflexão – Poemas e Frases – Luso-Poemas.

POEMA CONJETURAL

Que farás tu, meu Deus, se eu perecer?
Eu sou o teu vaso – e se me quebro?
Eu sou tua água – e se apodreço?
Sou tua roupa e teu trabalho
Comigo perdes tu o teu sentido.”

Rainer Maria Rilke

Um século tombado sobre a ossada inerte

do derradeiro espécimen da raça humana,

nenhum extraterrestre, fera alguma

terá se elevado ao fatídico trono.

O mundo será dos ratos. Será.

O espectro de Zeus, trôpego, em busca

do antigo Partenon

volitará das montanhas em bruma

até aos confins dos mares,

por noites infindas, sem lua.

Tufões o seguirão, nos seus retiros

aos vales de fumo e treva –

dantes metrópoles rígidas .

Um século, talvez,

talvez milênios,

tombados sobre os escombros

do Cristo Redentor

no Corcovado,

ainda eclodirá nas vastidões de Hades,

o réquiem do humano ciclo.

“Requiescant in pace”

entre os filhos melhores dos homens,

os deuses todos, malditos

deuses que os não ouviram…

Bem hajam futuros lampejos de sol no céu turvo!

Atinjam os cimos gelados da crosta!

Aqueçam antigas campinas,

devolvam-lhe os ribeiros, tragam tempestades

que despoluam o ar!

Que, por milagre, enfim, algum arbusto cresça

e a Terra possa retomar o seu destino!…

COMO BOLHAS DE SABÃO – Poemas – Poemas e Frases – Luso-Poemas

COMO BOLHAS DE SABÃO – Poemas – Poemas e Frases – Luso-Poemas.

 

 

Poemas :  COMO BOLHAS DE SABÃO
Editar textoEliminar texto

Ler mais: http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=176230#ixzz1EMh3UJJz
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial No Derivatives

Tags:reflexão
As coisas todas que pensamos nossas,
as coisas que se quer somar,
são bolhas de sabão, são leves
e se dissipam no ar.

As coisas todas, os seres,
nada se pode pegar.
Nós fomos feitos da terra
e a terra é bolha de ar.
Gira, incerta, ao sopro infindo
de um deus menino solar.

ESTÓRIA DE VILAREJO – Poemas de humor – Poemas e Frases – Luso-Poemas

ESTÓRIA DE VILAREJO – Poemas de humor – Poemas e Frases – Luso-Poemas.

POEMA DA NOITE VAZIA – Poemas de introspecção – Poemas e Frases – Luso-Poemas

O POETA E A SOLIDÃO

 

POEMA DA NOITE VAZIA – Poemas de introspecção – Poemas e Frases – Luso-Poemas.

 

http://sersank.blogspot.com